Como desenvolver relacionamento saudável?

* Por Priscilla Andrade Camilo

Ouço muito por aí: Eu não confio mais em ninguém, cansei de esperar e não receber, doar e só me frustrar!

É natural que alguns eventos da nossa vida, como a vivência de relacionamentos não saudáveis, nos marque negativamente. No entanto, o maior erro é generalizar todos os outros eventos a partir de um evento doloroso.

O ditado “Gato escaldado tem medo de água fria” explica-se, em partes, por um mecanismo cerebral inteligente… sempre que um evento ou situação seja semelhante ao já experimentado como ameaçador, o mecanismo de esquiva e fuga se deflagra. Tudo isso serve para nos proteger dos perigos e manter nossa sobrevivência.

O mecanismo de fuga ou esquiva está presente na forma de vivenciar novos relacionamentos que outrora foram vividos como dolorosos.

Sempre que nos deparamos com algo que demande entrega, intimidade e confiança, se já sentimos eventos dolorosos em situações semelhantes, isto pode ser o impedimento para se prosseguir.

Nada é possível no campo da vivência humana sem a experiência. Só podemos constatar sabor, textura e cheiro se experimentarmos! Não é porque um relacionamento foi amargo, de textura áspera e mal cheiroso que todos os relacionamentos serão iguais. Somos desafiados pelos nossos sentidos todos os dias, somos, também, enganados pelos sentidos todas as vezes que achamos que não devemos experimentar algo, pois já o conhecemos.

Como saberei se um relacionamento é saudável? A resposta é simples, tudo que é saudável vem da saúde dos relacionamentos, para construir um relacionamento com saúde tem que ser funcional, um relacionamento saudável é funcional pois nos aproxima do outro, de nós mesmos, e nos ajuda a ser pessoas melhores, na visão de todos.

Só é possível manter relacionamentos saudáveis com pessoas confiáveis. Se juntos pensarmos nas características de pessoas confiáveis podemos ter alguns pontos:

  • Uma pessoa que me aceite como eu sou
  • Uma pessoa que não importa o que eu faça ou como eu esteja, me amará sempre
  • Uma pessoa que me ajude a desenvolver minhas capacidades e assim ser um ser humano melhor
  • Alguém com quem eu possa ser autêntico (ser eu mesmo)
  • Alguém que eu veja uma capacidade de amar maior que a minha própria capacidade de amar
  • Alguém que a vida me inspire e me faça ser uma pessoa melhor
  • Alguém que estabelece limites e fronteiras para os outros

Você deve estar se perguntando: Onde está essa pessoa? Ela existe?

Gostaríamos de ter pessoas à nossa volta que nos ajudasse em várias áreas da nossa vida. Mas a questão, muitas vezes, está em nosso olhar.

Como reconhecer algo no outro se não tenho em mim? Pergunte-se à si mesmo: Eu sou uma pessoa que alguém pode nutrir um relacionamento saudável? O reconhecimento surge a partir de você mesmo. Você é essa pessoa confiável?

Se a sua resposta é sim, o seu olhar já está treinado e poderá, com mais facilidade, encontrar tais características no outro. Se a sua resposta é não, busque ser essa pessoa antes de buscar no outro aquilo que lhe falta.

Alguns aspectos do outro nos complementa, outros, amplia em nós capacidades e percepções sobre o mundo.

Minha intenção aqui foi deixar alguns aspectos a serem considerados na busca por relacionamentos saudáveis, no entanto, não substitui a profundidade proporcionada por um acompanhamento individual da psicoterapia, que ajuda a identificar quais os pontos em que o processo pode estar nessa busca.

Compartilhe com seus amigos 🙂