Faz de conta

*Por Priscilla Andrade Camilo

Cresci ouvindo de minha mãe que há tempo para tudo, essa fala da minha mãe era baseada na Bíblia Sagrada, no livro de Eclesiastes, que traz a ideia de que todos, indistintamente, teremos tempo para tudo que é essencial.
Por outro lado, se olharmos bem, vivemos um tempo sem tempo. É verdade que tempo, aquilo que nomeamos como duração relativa das coisas, tem se tornado mais escasso.

A explicação para motivos da escassez de tempo nos dias atuais nascem com as novas necessidades que a própria sociedade industrial e serviços criou, fazendo que todos que trabalham e demandam para essas áreas, se sintam com a sensação de que não há tempo para se fazer o que se quer, somente o que precisa. A verdade é que parece que o tempo está reduzido à gerar riquezas, serviço ou bens de consumo, quem tem tempo que não seja para esse fim, parece meio fora de esquadro.

Alguns gurus do comportamento têm se aproveitado desse fenômeno moderno, que é a falta de tempo, para trazer os dez passos para se alcançar uma melhor gestão do tempo, não que a iniciativa seja boa ou ruim, mas talvez essa questão reside um problema, o processo para se alcançar mais tempo tem a ver com valores. Valores ou você tem ou não tem, não existem passos para alcançá-los. Nenhum curso irá lhe ensinar quais passos para valorizar mais sua família, sua saúde, seu cônjuge e seu filho. Tempo se arruma para aquilo que é importante para você, o resto é desculpa.

Durante os últimos dias tenho vivido alguns lutos de pessoas queridas próximas à mim que já se foram, nesse sentido, penso que a consciência da morte, essa certeza da finitude faz com que nos libertemos de uma infinidade de coisas mesquinhas e tolas e assim permitimos viver à nossa batalha diária como se fosse a última batalha, já que por ser a última batalha, essa tem que valer a pena.

Vamos fazer um jogo de “faz de conta”, nesse jogo eu proponho que vamos fazer de conta que temos apenas um ano a mais de vida. Na minha vez nesse jogo de faz de conta eu vou dizer as coisas que desejo fazer, e na sua vez você dirá para você mesmo ou para mim o que deseja fazer.

“Sou o intervalo entre o meu desejo e aquilo que os desejos dos outros fizeram de mim” – Alvaro de Campos.

Percebo que a grande maioria das coisas que são o fazer, fazer. Fazer vem dos desejos do outro e não do meu desejo. O meu desejo seria ver e estar com todas as pessoas que eu amo e não consigo, ler todos os livros que desejo e não encontro tempo, escutar todas as músicas que gosto, conhecer todos os lugares que desejei um dia, aprender os idiomas que eu aprecio, dizer as palavras de amor para aqueles que amo e cuidar de quem eu não cuidei.

Quando me debruço nessa lista de coisas, tenho que concordar com Antoine de Saint Exupéry – “O essencial é invisível”, de verdade, o que é fundamental, o que não pode faltar é aquilo que cada um elege de forma pessoal a essência ou seja aquilo que é importante. Aqui reside uma sabedoria infinita, sempre teremos tempo para aquilo que nos é importante. A partir dessa ideia cabe a cada um eleger o que é importante, uma vez eleito o que lhe é importante, o tempo é só uma questão de tempo mesmo.

Nesse jogo de faz de conta agora é a sua vez de dizer o que faria se tivesse um ano a mais de vida, vamos jogar?

 

Compartilhe com seus amigos 🙂